Principal » Artigos »

01 junho 2016

Aumenta a violência sexual contra mulheres nas universidades

As zonas oeste e norte do Rio concentram 91% dos casos de estupro registrados

Mulheres conquistam direitos sociais, mas a ampliação do conservadorismo promoveu a instauração do machismo na política. Em 26 de maio, ocorreu um estupro coletivo a uma adolescente, com participação de seu ex-namorado, na zona oeste do Rio de Janeiro que chocou o país. Infelizmente, não é um caso isolado.

De acordo com o Dossiê Mulher (2014) divulgado pelo Instituto Avon, as zonas oeste e norte do Rio concentram 91% dos casos de estupro registrados. Na zona oeste estão 57% dos casos. Essa violência se reflete nas universidades, onde 67% das estudantes são vítimas de algum tipo de violência sexual. Estupro, assédio, coerção, desqualificação intelectual e agressão moral e psicológica são praticados por colegas, professores e funcionários. Esses índices também foram divulgados pelo Instituto Avon.

Os casos recentes de estupro na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) resultaram no silenciamento e na culpabilização das vítimas. Uma universitária sofreu dois assédios sexuais. Seus agressores eram professores que ofereciam vantagens acadêmicas em troca de sexo. Um deles ainda praticou assédio moral como punição à negação da vítima.

Basta de violência

Segundo a doutoranda membro da Associação de Pós-graduandos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Raquel Albuquerque, “quase todas as mulheres” já passaram por isso dentro da universidade. “A violência sofrida muitas vezes na sociedade e na universidade não é percebida como violência”.

A violência sexual contra as mulheres faz parte da cultura do estupro no nosso país e torna as agressões sexuais masculinas aceitáveis socialmente. Essa violência se perpetua porque as forças políticas e sociais conservadoras impedem a efetivação de políticas públicas de combate ao machismo.

O conservadorismo necessita ser combatido, através do empoderamento feminino e da criação de políticas públicas que desconstruam o machismo.

27106185890_9fd11ce57d_z

Helena Alves Rossii é historiadora, aluna da UFRJ e membro do Coletivo de Mulheres Feministas do Subúrbio.

Fonte: Brasil de Fato

Foto: Divulgação

Helena Alves Rossii

25 junho 2017

OS CUSTOS DO CIGARRO

02 maio 2017

A VIDA SEDENTÁRIA


Comentários

Comentar

SINDUECE
Rua Tereza Cristina, 2266 – Sala 204 – Benfica
CEP 60015-141, Fortaleza/Ceará
Fone/Fax: (85) 3077 0058
E-mail: comunicacao@sinduece.org.br
Produzido e atualizado pela TEIA DIGITAL