Principal » Notícias » Mais notícias »

22 setembro 2016

MANIFESTO DE ESTUDANTES DA FAEC EM REPÚDIO AO AUTORITARISMO DO GOVERNADOR CAMILO SANTANA

Na manhã de sexta-feira, 16 de setembro de 2016, nós, doze alunos da Faculdade de Educação de Crateús (Campus UECE), fomos ao evento público de inauguração do agrupamento RAIO, que contou com a presença do Governador do Ceará Camilo Santana. Fomos até lá para cobrar que o mesmo atendesse às reivindicações da greve da Universidade Estadual do Ceará que já dura mais de 4 meses.

O local do evento foi a Rua do Mercado Público de Crateús, onde estava montada uma estrutura com palco, cerca (!) e uma banda para “animar” o momento. Porém, ao tentarmos nos aproximar do local com cartazes e faixas com as reivindicações de nossa luta, como a nomeação dos 84 professores efetivos da UECE e infraestrutura de qualidade para a FAEC/UECE, fomos barrados por aproximadamente oito policiais armados exigindo que mostrássemos nossos cartazes e imediatamente nos proibindo de nos manifestarmos, embora fossem visíveis outras faixas de agradecimentos ao Governador por obras realizadas na cidade. Contudo, as nossas não foram permitidas. Ao questionarmos o porquê de proibirem os nossos cartazes, uma vez que as outras faixas foram permitidas, ameaçaram-nos de prisão se insistíssemos, afirmando que era ordem do próprio Governador.

Durante a conversa com os policiais, um dos alunos que estava filmando o momento foi repreendido e ameaçado de ser “enquadrado” caso continuasse a filmagem e foi obrigado a apagar o vídeo imediatamente. Após esse momento, o Chefe de Segurança do Governador veio falar conosco para não entrarmos no evento, pois o governador Camilo Santana nos receberia, mas se insistíssemos, não seriamos recebidos. Contudo, levantamos nossos cartazes do lado de fora do evento para que a população soubesse o que estava acontecendo e como fomos impedidos de nos manifestar, foi nesse momento que presenciamos os policiais nos filmando.

Ao final do evento, quando nos dirigimos ao local marcado para encontrarmos o Governador, fomos novamente repreendidos de forma agressiva por um dos policiais, que barrou nossa entrada agressivamente puxando um dos alunos pelo braço. E, logo após, quando duas alunas foram entrar,esses mesmos policiais intimidaram-nas, perguntando entre si se havia algemas suficientes. Permitiram nossa entrada somente depois que a assessora do Governo veio até nós.

Não tendo local adequado, conversamos com o Governador Camilo Santana e com o Deputado Estadual Carlos Felipe enquanto ambos seguiam para os seus carros. Ao questionarmos o porquê de não haver a nomeação, o Governador nos informou que só nomearia os professores ao fim da greve. Um dos argumentos usados pelo mesmo foi que os professores exigiam reajuste e que ele não poderia dar, utilizando a desculpa da crise e que os professores da UECE ganham muito bem. Percebemos que tanto o Governador quanto o Deputado estavam querendo nos colocar contra os professores, afirmando que não havia acordo entre discentes e docentes. Para finalizar, o mesmo propôs que fizéssemos um documento que comprovasse que, ao nomear os 84 professores, a greve seria encerrada, caso contrário, ele descontaria do salário dos professores.

Com isso, notamos que o atual Governador do Ceará Camilo Santana herdou todas as características do seu antecessor Cid Ferreira Gomes, ou seja, finge dialogar com as universidades, recebe estudantes com polícia e afirma que professores devem trabalhar por amor. A conclusão que tiramos dessa triste manhã é que foi armado um espetáculo para iludir os pobres e mascarar a real situação à qual estamos submetidos. Como doze alunos podem amedrontar um governador cercado por seguranças? O que esperar para a educação cearense nessas circunstâncias?


Comentários

Comentar

SINDUECE
Rua Tereza Cristina, 2266 – Sala 204 – Benfica
CEP 60015-141, Fortaleza/Ceará
Fone/Fax: (85) 3077 0058
E-mail: comunicacao@sinduece.org.br
Produzido e atualizado pela TEIA DIGITAL