Principal » Notícias » Destaque »

06 novembro 2017

Tarifaço do governo Temer deixa preço do gás e da luz nas alturas, afetando principalmente os mais pobres

Desde às 0h do último domingo (5), o gás de cozinha (GLP) envasado pelas distribuidoras em botijões de até 13 kg, estão mais caros 4,5% em média. O aumento foi informado pela Petrobras, na sexta-feira (3). É o quinto reajuste consecutivo anunciado desde o mês de junho, acumulando um aumento no preço do produto de 54%.

Segundo a Petrobras, o ajuste foi feito principalmente em razão da alta das cotações do produto nos mercados internacionais, “influenciada pela conjuntura externa e pela proximidade do inverno no Hemisfério Norte, além da variação do câmbio”, informou em nota.

Com o reajuste, é possível encontrar um botijão de 13kg pelo absurdo preço de R$ 80 nas revendas. Um verdadeiro assalto!

A política de reajuste de preço da Petrobras para o gás de cozinha se assemelha com o praticado em relação aos combustíveis. Pelas novas regras, a empresa pode estabelecer o aumento ou redução diária no preço dos combustíveis e do gás, levando em consideração, entre outros fatores, a oscilação do preço do produto no mercado internacional. A gasolina acumula alta de 23,92% desde julho.

Tarifaço atinge em cheio o trabalhador

O aumento de preços de tarifas administradas pelo governo, diretamente ou através das estatais, estão atingindo em cheio o bolso do trabalhador. O “tarifaço” do governo Temer inclui também nos últimos meses o aumento da conta de luz.

A conta de energia elétrica já está mais cara a partir deste de novembro, pois a bandeira tarifária vermelha 2, em vigor este mês, também sofreu um aumento de 43%, passando de R$ 3,50 para R$ 5 a cada 100 kWh consumidos.

Esses reajustes impostos pelo governo atingem em cheio os trabalhadores, principalmente a população mais pobre, que vê o custo de vida aumentar assustadoramente. O aumento do gás de cozinha, da energia, dos combustíveis tem várias consequências, por exemplo, deixando mais caros os alimentos e o transporte.

O fato é que Temer segue com uma política econômica para beneficiar e atender os interesses dos setores privados, e as privatizações de várias estatais, como a própria Petrobras e a Eletrobras, que também estão nos planos do governo, tendem a piorar ainda mais essa situação e o aumento do custo de vida para o povo.

Em recente entrevista à CSP-Conlutas, o economista do Ilaese (Instituto Latino-Americano de Estudos Sócio-Econômicos) Gustavo Machado denunciou que a atual política da Petrobras visa garantir lucros aos acionistas privados, em grande parte estrangeiros, que já controlam as ações da empresa.

“A Petrobras hoje é controlada administrativamente pelo governo, mas a maioria de suas ações está na Bolsa de Valores, portanto, tem de garantir lucros e dividendos aos acionistas privados. Por isso, tem que se vender o combustível seguindo os critérios do mercado internacional e um furacão no Golfo do México afeta aqui no Brasil. Fosse, de fato, uma empresa estatal a serviço de suprir o consumo nacional, não precisaria esse aumento. Ao contrário, poderia se vender combustível muito mais barato, para garantir transporte e outras necessidades a preços acessíveis à população”, disse o economista.

Colocar para fora Temer e os corruptos do Congresso, bem como a luta contra as privatizações e por uma política econômica que esteja a serviço de garantir as necessidades dos trabalhadores e dos mais pobres também são bandeiras do Dia Nacional de Lutas em Defesa dos Direitos no próximo dia 10/11. Vamos às ruas!

Fonte:  CSP Conlutas
Foto: Reprodução


Comentários

Comentar

SINDUECE
Rua Tereza Cristina, 2266 – Sala 204 – Benfica
CEP 60015-141, Fortaleza/Ceará
Fone/Fax: (85) 3077 0058
E-mail: comunicacao@sinduece.org.br
Produzido e atualizado pela TEIA DIGITAL